terça-feira, 7 de abril de 2015

À beira da piscina

 (história anterior)

Paula foi andando pela borda da piscina, bamboleando as ancas desde que saíra do interior da casa onde estivera a mudar de roupa, e parou ao chegar à zona dos chapéus-de-sol e das espreguiçadeiras. Trazia um sorriso aberto nos lábios; na cabeça, um chapéu de palha, e no corpo um biquíni azul extremamente diminuto. O seu longo cabelo negro estava enrolado numa longa trança, que balançava após cada passo seu.
- Então, Mónica, que tal está a água? – perguntou, ao sentar-se numa delas.
Marco olhou para a namorada, com um sorriso tímido.
- Está óptima, Amor. – respondeu, de voz aguda.

 
Quando a namorada lhe falou em fazerem “férias diferentes”, Marco não hesitou, especialmente porque ele estava arrasado após um ano a trabalhar como maluco na migração de uma base de dados informática para um sistema mais recente: qualquer tipo de férias seriam bem-vindas. Todavia, ele já devia estar preparado para as ideias de Paula: é que nos sacos dele foi totalmente proibida a inclusão de qualquer peça de roupa masculina… engolindo em seco assim que ela mencionou essa regra, Marco cedeu e tratou de ir buscar o seu stock de roupas femininas.
A ideia de Paula foi passar três semanas na casa de um conhecido, numa aldeia algarvia. Quando Paula e Marco, este já na pele de Mónica, apareceram à sua frente, ele nem pestanejou ao ver a crossdresser: entregou-lhes a chave da rua e do anexo onde iriam dormir durante as férias, pedindo apenas para não fazerem muito barulho.
Paula estendeu-se na espreguiçadeira e olhou para o lado, para o corpo do namorado. Naquela tarde, Marco/Mónica vestia um fato de banho preto, cujo baixo-ventre apresentava um alto inconfundível. A cabeleira loira da crossdresser estava virada na sua direcção, com os seus olhos a estarem escondidos detrás dos óculos de sol enormes que ela tinha na cara.
- És mesmo porca, Mónica… – comentou ela – Estares aí a armar a tenda debaixo do fato de banho é feio!
- Desculpa, Querida, não consegui evitar… estás a excitar-me com esse Teu visual.
Paula riu-se.
- Desavergonhada do caralho. Se calhar até querias que Eu te montasse aqui, não? – e dito aquilo, Paula levantou-se e sentou-se ao colo de Mónica.
- Era… era uma boa ideia… – balbuciou a crossdresser, fazendo Paula voltar-se a rir.
- Vocês são demais. Tu e as tuas amigas crosses. Sempre a pensarem na queca, a quererem ser comidas e o caralho. Debochadas de merda… Eu só te monto, só te como se Me apetecer, e agora não estou muito afim! Quero mergulhar, apanhar Sol, bronzear-Me…
- Claro, Amor, se é o que desejas… – foi a resposta curta de Mónica, enquanto Paula se voltava a sentar na sua espreguiçadeira.
A Dominadora colocou também uns óculos de sol e, disfarçadamente, não querendo mostrar à namorada que estava interessada nela, começou a admirar o corpo de Mónica, os seus pés de unhas pintadas de cor-de-rosa, a corrente de prata que trazia ao redor do tornozelo direito, o buraco do fato de banho que descobria o seu umbigo, as mãos com anéis – incluindo a sua aliança de namoro, oferecida após um ano de relação – e de unhas de gel também cor-de-rosa com desenhos, a pulseira banhada a prata que lhe decorava o pulso esquerdo, a gargantilha cravejada de topázios ao redor do seu pescoço (que sempre ajudava a esconder a maçã-de-Adão), as pérolas negras que enfeitavam os brincos de mola que ela tinha nas orelhas e acabou por se fixar naquele rosto disfarçado, nos lábios pintados de vermelho-vivo, nas sobrancelhas escuras e alongadas, nas pálpebras levemente escuras e, finalmente, na cabeleira ondulada que chegava aos ombros da crossdresser. Paula esperava que aquela maquilhagem fosse resistente à água, sob pena de passar a estar acompanhada de uma versão loira de Brandon Lee no filme "O Corvo" assim que Mónica mergulhasse na piscina… riu-se sozinha com essa ideia. Internamente, aprovou o aspecto de Mónica, começando a recordar os primeiros tempos: se, ao início, Marco se havia mostrado reticente em dar asas àquele desejo de Paula de ter uma crossdresser ao seu dispor, com o avançar do tempo e a evolução de Mónica, ele próprio foi gostando de se tornar aquela personagem e entrar nos jogos sexuais da namorada. 
Paula virou a cabeça e fingiu adormecer, até reparar que Mónica estava imóvel na sua espreguiçadeira. Sorriu, levantou-se e voltou-se a sentar-se ao colo da namorada.
- Acorda, Meu joguete. Apetece-Me algo! – anunciou, passando a mão de unhas encarnadas pelo baixo-ventre de Mónica.
Sobressaltada, Mónica abriu os olhos de repente.
- O-o que se passa, Amor?
- Passa-se que já Me apetece provocar-te. E usar-te. E rasgar-te toda. E fazer-te o que Me apetecer. – enquanto falava, ia massajando o órgão de Mónica por cima do fato de banho.
- Hmm, ai… mas… mas tinhas… dito que… – começou a crossdresser.
- Pois tinha, mas entretanto mudei de ideias. Apetece-Me trepar para cima de ti e cavalgar o tempo que Me apetecer. Alguma coisa contra, puta?
- Na-nada… – balbuciou Mónica – Mas e… e o do-dono da casa… se ele n-nos vê…
- Se ele nos vir, começa a bater uma e ainda começa a aproximar-se de nós a ver se se pode juntar à festa. Se não tivesse confiança nas pessoas, não vinha, não te parece?
- Juntar-se a nós? E-e Tu alinhavas nisso?
Paula deu uma gargalhada.
- Nem por isso, não gosto de partilhar o que é Meu. Ele é gay, sabes, organiza alguns bacanais aqui em casa e noutros lados, e cheira-Me que anda com vontade de te saltar para cima…
Mónica engoliu em seco.
- Mas se quiseres mesmo muito, Eu posso dizer-lhe qualquer coisa!… – continuou ela.
- N-não, amor, estou b-bem só contigo… ai…
- Acho muito bem! Agora cala-te!
Paula continuava a passar a mão por cima da parte inferior do fato de banho, massajando-lhe o órgão e sentindo-o pulsar. Então, ela agarrou no tecido e desviou-o para o lado, fazendo com que o pénis de Mónica aparecesse, liberto de qualquer restrição. Outra coisa que apareceu foi a borda do plug dourado com uma jóia incrustada na base que Mónica havia enfiado no ânus. Sofregamente uma das mãos de Paula agarrou-se à base da sua pila com força, começando a masturbá-la, ao passo que a outra mão começou a mexer no plug. Mónica gemeu.
- Uma pessoa mexe-te e tu começas logo assim, não é? Devias ter vergonha… – Paula suspirou, vendo a cara de Mónica contorcer-se num esgar de prazer. Então parou, despiu a parte de baixo do seu biquíni e sentou-se em cima do órgão da crossdresser, fazendo a pila dela entrar na sua vulva húmida. Mónica gemeu.
- Ai, Querida… – começou Mónica.
- ‘Ai’ o caralho, sua putinha… vou-te montar um bocadinho, Minha eguazinha devassa, depois a ver quanto te provoco. Apetece-Me provocar-te muito, deixar-te louca, ver-te a desejar coisas malucas! – ao mesmo tempo que falava, Paula ia subindo e descendo no colo de Mónica, fazendo a namorada entrar e sair de dentro de si, com o órgão dela a aumentar imediatamente de tamanho…
Após muitos gemidos, suspiros e cavalgadas, Paula acabou por sair de cima da crossdresser, deitando-se em cima das pernas de Mónica.
- E agora? Será que aguentas?
- O quê, Princesa? – gemeu Mónica, completamente rendida.
Paula não respondeu: agarrou simultaneamente na pila e no plug de Mónica, começando a masturbá-la e a mexer no objecto.
- Foda-seeeeeeeeeee… – uivou Mónica.
- Língua porca, querida Mónica… se calhar tenho de te foder aqui mesmo a ver se ganhas boas maneiras! – declarou Paula, sempre a estimular a namorada. Ela ia masturbando e lambendo a ponta do pénis de Mónica, ao mesmo tempo que a outra mão agarrava na base do plug e ia retirando e introduzindo o brinquedo repetidamente no ânus da namorada, que mordia os lábios encarnados e apalpava os seios diminutos, completamente dominada pelas acções de Paula.
- Ai… Paula, T-Tu… porra, queres-me levar à loucura… – balbuciou Mónica.
- Não é preciso muito para isso, Minha badalhoca: basta mexer-te no cu ou propor-te levares na bilha para ficares logo de clitóris inchado. – foi a resposta lacónica dela, nem por um segundo cessando os seus estímulos – Um dia destes, quero ver se te consigo fazer vir enquanto te rebento a bilha… Sabes qual a minha maior pena? Não ter uma pila como tu, senão esporrava-te toda! Eram enormes banhos de esporra que te dava!
Mónica abria as pernas, abrindo-se por completo ao toque da namorada. Os lábios de Paula voltaram a engolir o órgão dela, nunca parando de mexer no plug.
- Ai… Paula… estou… quase… – gemeu a crossdresser.
Nessa altura, a Dominadora tirou a pila de Mónica da boca e retirou o plug do rabo dela, com um sorriso sádico. 
- Não… Paula… por favor, não pares…
Mas Paula fez ouvidos moucos, deitando-se na espreguiçadeira ao lado assim como estava. Mónica agarrou no seu pénis e ia começar a masturbar-se até acabar de chegar ao clímax quando a boca da namorada se abriu:
- Não te atrevas.
- Mas… Paula, eu preciso…
- Cala-te, Eu é que sei do que precisas.
Desconsolada, Mónica deitou-se quieta na espreguiçadeira; ao lado, Paula fazia um esforço para manter a face e não se disparar a rir do desespero da crossdresser. Eventualmente ela deixá-la-ia vir-se, provavelmente até partilharem um orgasmo, mas antes ainda a queria fazer penar.
- Paula…
- Apanha Sol, Mónica. – foi a resposta lacónica de Paula.
A reacção de Mónica foi levantar-se da espreguiçadeira, calçar os chinelos e dirigir-se em passo acelerado para casa, com Paula curiosa a observar a cena. Ela regressou um ou dois minutos depois, trazendo na mão um strap-on com dildo interior; de seguida, ela colocou-o sobre o colo de Paula juntamente com um boião de vaselina, ajoelhando-se aos pés da espreguiçadeira.
- Lady Paula, por favor… – suplicou Mónica de cabeça baixa – pode violar esta puta sem valor até se fartar?
Paula acabou por soltar uma gargalhada.
- Tu realmente… quem te viu e quem te vê! Dantes nem gostavas de levar no olho, agora até gemes por isso!
- É verdade, Milady… gosto tanto…
Paula levantou-se da espreguiçadeira, passeando ao redor do corpo ajoelhado de Mónica. Humedeceu o dedo médio com vaselina e agachou-se por trás dela, penetrando-a com aquele dedo.
- Queres vaselina? Afinal de contas o plug não te alargou o suficiente, foi?
- Ai… hmm… alargou, mas… é para ver se me comes com mais força… – suspirou Mónica.
Paula riu-se; assim que achou que o ânus de Mónica estava pronto, deu-lhe uma palmada nas nádegas.
- Na piscina. Já. Encostada à bordinha de lá, sem molhares a pintura.
Mónica levantou-se, não sem antes Paula agarrar nela e beijá-la na boca, com ambas a trocarem um longo linguado. Depois, enquanto a crossdresser obedecia e entrava pelos degraus na piscina, Paula começou a colocar o strap-on em posição. O dildo que lhe estava destinado era de tamanho generoso: a Dominadora soltou um uivo assim que o falo iniciou a sua viagem dentro dela. Assim que ficou tudo pronto e as fivelas foram apertadas, Paula dirigiu-se para a bordinha da piscina, de frente para Mónica e de mãos nos quadris.
- E então, querida, estás pronta para a piroca da mamã?
- Hmm… mais que pronta. – Mónica suspirou, lambendo os lábios carmins.
Ao contrário do que a namorada fizera, Paula, após tirar o chapéu e os óculos de sol, atirou-se para dentro da piscina, mergulhando como uma autêntica sereia – uma sereia de pau feito. Ela regressou à tona de água à beira da namorada que a esperava de pernas abertas, expectante, e abraçou-a por trás, com a água a chegar-lhes por baixo dos braços.
- Olá, puta… – Paula sussurrou ao ouvido de Mónica, beijando-lhe a orelha – estás cheia de vontade que Eu te empurre o cocó para dentro, não estás?
Mónica assentiu vigorosamente, com a namorada a agarrar na ponta do dildo e a encostá-lo ao rabo da crossdresser, fazendo a ponta entrar dentro dela.
- Ainda bem. – e, de uma só vez, fez o dildo entrar por completo em Mónica.
- Aiiiiiiiiii… – gemeu ela.
- ‘Ai’ o caralho, não era o que querias? – reclamou Paula, voltando a abraçar Mónica por trás.
Ela não respondeu, limitando-se simplesmente a gemer e a uivar à medida que Paula a ia comendo contra a parede da piscina.
- Se calhar amanhã chamamos cá o dono da casa para nos ver, que dizes? – continuou Paula, sempre a penetrar o ânus da namorada numa cadência média, nem querer rebentar com Mónica – Metemo-lo sentadinho e a ver-Me enrabar-te, se calhar até te mando fazeres-lhe uma mamada…
- P-Paula… hmm…
- Gostas da ideia?
- T-tudo o que quiseres… – foi a resposta entrecortada.
De seguida, uma das mãos de Paula foi descendo pelo corpo de Mónica até agarrar no seu pénis.
- Realmente gostaste da ideia, olha-Me para isto, para este inchaço! A ver se tratamos disto… – e começou logo a masturbar-lhe o órgão.
Mónica estava completamente arrebatada pelo dildo que lhe violava o cu e pela mão que lhe batia uma punheta. Ela fechou os olhos e inclinou a cabeça para trás, de boca aberta e solvendo grandes golfadas de ar de boca aberta e gemendo sempre que a ponta do falo artificial lhe entrava por completo no cu.
- Olha para ela, parece uma gaja dum filme pornográfico, a gemer sempre que leva com ele…
Mónica acabou por chegar ao clímax, com Paula sempre a violá-la e masturbá-la, mas nem o êxtase da namorada fez com que a Dominadora parasse o que estava a fazer. Sempre que ela entrava no cu de Mónica, o dildo que tinha na sua vulva agitava-se e excitava-a, e ela também pretendia atingir um orgasmo. Os gritos de Mónica aumentaram de volume à medida que ela se ia vindo e o seu sémen se espalhava pela água da piscina.
- Isso, grita, puta, faz com que todos os vizinhos saibam que estás a levar no cu e a adorar! Grita, geme, berra, uiva… faz o que quiseres! És a Minha gaja! Minha, para Eu usar e abusar como Eu quiser!
E Mónica continuou a fazê-lo, continuou a gemer, pois Paula não deixou de a penetrar, nem mesmo quando ela própria se sentiu a atingir o clímax, também soltando gemidos de prazer. Só que Paula não queria só um, queria mais, da mesma forma que Mónica queria continuar a ser enrabada. Assim, a Dominadora não se deteve, continuando a penetrar o rabo de Mónica e masturbando-a, sentindo o dildo que tinha dentro de si mexer-se com cada movimento…
Alguns minutos depois, Paula voltou a gemer, mais alto que antes, ao voltar a atingir mais um orgasmo, mordendo a clavícula de Mónica enquanto o seu clímax durava; quando este abrandou, os seus movimentos pararam e ela pousou a cabeça no ombro da namorada.
- Mónica… adoro-te… – sussurrou ela ao seu ouvido.
A crossdresser sentiu-se aquecer por dentro com aquela declaração. Por norma Paula era dura e não exteriorizava muito os seus sentimentos, nem mesmo com a namorada; todavia, ocasionalmente, a Dominadora deixava transparecer o carinho que sentia por aquele rapaz que se havia adaptado a ela e aos seus fetiches.
Com delicadeza, Paula retirou o dildo de dentro de Mónica. Depois, ela deu meia-volta e dirigiu-se para os degraus da piscina, subindo-os e dirigindo-se novamente para a espreguiçadeira enquanto ia retirando o strap-on e regressou a casa, com uma ideia na mente. Uns segundos depois, Mónica seguia-lhe os passos. Ela ajeitou o seu fato de banho, cobrindo a sua masculinidade e deitou-se na espreguiçadeira, voltando a colocar os óculos de sol. Paula voltou a aparecer uns momentos mais tarde, com uma caixinha pequena na mão, ficando a olhar para Mónica longamente, admirando a crossdresser e pensando no grande passo que iria tomar a seguir, na verdadeira razão para aquele retiro.

(história seguinte)

1 comentário:

  1. Como vi que tem seguimento. Aguardo ansiosa. Adorei.

    ResponderEliminar